Catálogo Artistas Audio Video Sobre a Voiceprint SHOP ONLINE
Artistas
+ Brasil
Alvos Móveis
Arco Duo
Ciro Pessoa
Continental Combo
Dialeto
Dr Fantástico
Fabio Golfetti
Giuseppe Frippi
Gong Global Family
Gritando HC
Holly Tree
Invisible Opera Company of Tibet (Brazil)
Jorge Pescara
Jupiter Apple
Mobilis Stabilis
Momento 68
Nihilo
Rainer Tankred Pappon
Stereotrips
The Forest
Violeta de Outono
Zabomba
Zero

Distribuição
Holly Tree

Links:
Holly Tree Blogspot


Títulos:
Running Out Of Sense
A idéia de montar a banda surgiu quando George, Zé e Tito tinham 11 anos de idade e como não curtiam futebol (exceto o Tito), resolveram mostrar suas habilidades tocando metal na banda, a qual chamaram de Revolter DIE, que depois viera a ser o Holly TREE. No início, George era só vocalista, o Zé era guitarrista e o Tito, baixista. Os bateristas foram vários, mas sempre saíam fora ou o grupo expulsava. Quando a banda mudou o nome pra Holly TREE, o George passou a ser guitarrista também, além de vocal, o Zé assumiu a batera e o backing vocal e o Tito continuou no baixo.

A mudança de Revolter DIE para Holly TREE ocorreu em 1996 e da antiga fase só resta uma gravação ao vivo do primeiro ensaiado. Com o novo nome começaram a tocar em festivais de escolas em SP (local onde originou a banda) tocando covers e músicas de autoria própria.

As influências musicais do trio são puramente punkrock, de bandas como Rancid, Green Day, Ramones, Queers, Clash, Toy Dolls, Operation Ivy e Blink-182. O primeiro trabalho da banda foi a demo "Mom’s Tea Party". Esta foi a porta de entrada para os festivais maiores, como o "Halloween Rock Festival", promovido pela escola Cultura Inglesa. Nesse festival a banda levou dois prêmios: o de "melhor performance" e "segunda melhor banda". No final de 98, o cd "Running Out Of Sense" foi lançado. Nesse trabalho, além de punkrock, teve muita influência de ska também. São 14 faixas e dessas foram feitos 2 clipes, da música "Burning School" – filmado em VHS, uma produção bem caseira e de baixa qualidade, e de "Hey! Stop it" – este foi filmado em 16 mm, dirigido pelo Cristian Targa (o "Gordo", do Blind Pigs) e indicado na categoria demo clip do Vídeo Music Brasil (VMB) de 1999, na MTV Brasil, embora não tenha levado o prêmio.

No intervalo entre os lançamentos de "Mom’s Tea Party" e "Running Out Of Sense", eles participaram da coletânea "Make Your Choice", com a música "Jim That Works At The Records Store". No começo de 2000, o Holly TREE entrou em estúdio outra vez. O álbum, chamado "Don’t Burst Me", saiu em julho, enquanto os caras estavam numa mini-turnê pelos EUA. O cd chegou com 14 faixas de puro punk rock (dessa vez, sem nenhum ska). Há baladinhas como "Crushin’ Song" e "Neurotic Mind", a participação especial do Supla em "Glad Boys", faixas mais hardcore como "Stuffed", "Take Away" e também uma música em que o Zé é o vocal. O público aceitou bem o novo álbum, que foi bem elogiado pelos fãs e chegou a vender 1000 cópias em apenas 1 semana!!!

A tour pelos States agradou a gringueira e, segundo os próprios TREEs, a viagem foi "bem loca". Eles tiveram o privilégio de tocar no consagrado "CBGB", em NYC. De lá, os caras seguiram pra Califórnia onde tocaram com as bandas "Generators" e "Vanilla Muffins" (Suíça) em San Francisco e em LA, com o "Pistol Grip"

No mês de agosto de 2000, o Holly TREE fez 2 shows de lançamento do novo cd no Hangar 110 (SP). Os shows foram um sucesso! Os fãs elogiaram e gostaram de ver a participação do Supla. Dai até o fim do ano eles voltaram a se apresentar em outros estados do Brasil para promover o álbum.

link HollyTreeBrasil Blog