Catálogo Artistas Audio Video Sobre a Voiceprint SHOP ONLINE
Artistas
+ Brasil
Alvos Móveis
Arco Duo
Ciro Pessoa
Continental Combo
Dialeto
Dr Fantástico
Fabio Golfetti
Giuseppe Frippi
Gong Global Family
Gritando HC
Holly Tree
Invisible Opera Company of Tibet (Brazil)
Jorge Pescara
Jupiter Apple
Mobilis Stabilis
Momento 68
Nihilo
Rainer Tankred Pappon
Stereotrips
The Forest
Violeta de Outono
Zabomba
Zero

Distribuição
Zero

Links:
MySpace


Títulos:

O ZERØ surge em 1983, quando o designer e vocalista Guilherme Isnard (ex-Voluntários da Pátria) une-se aos arquitetos Beto Birger (baixo), Claudio Souza (bateria), Gilles Eduar (sax), Fabio Golfetti e Nelson Coelho (guitarras). Essa formação dura dois anos e rende, além de uma participação na coletânea "Os Intocáveis" da Deck Discos e no LP "Remota Batucada" de May East (na gravação de “Caim e Abel”), a gravação do compacto “Heróis - 100% Paixão” de 1984 pela extinta CBS (atual Sony Music),

Em 1985 Guilherme reestrutura a banda com Eduardo Amarante (ex-Agentss e Azul 29) na guitarra, Ricky Villas-Boas (ex-Joe Euthanázia) no baixo, Freddy Haiat (ex-Degradée) nos teclados e Athos Costa (ex-Tan-Tan Club) na bateria. Em 1986 lançam pela EMI/Odeon o LP "Passos no Escuro", que estoura as músicas “Agora eu Sei" e "Formosa" nas rádios de todo o Brasil conferindo ao grupo um Disco de Ouro por mais de 200 mil cópias vendidas.

1987 é o ano de "Carne Humana" com os hits "Quimeras" e "A Luta e o Prazer" e mudança na formação: sai Athos e entra Malcolm Oakley (ex-Azul 29 e Voga) na bateria. Essa boa fase culmina na abertura dos shows da cantora Tina Turner no estádio do Pacaembu/SP e no Maracanã/RJ, para um público de mais de 300 mil pessoas. Mas em 1989 surpreendentemente e sem brigas, o ZERØ encerra as atividades com shows no Dama Xoc/SP e no Circo Voador/RJ que foi gravado ao vivo para o especial de TV “Manchete Shopping Show” da rede Manchete. O grupo ainda faz algumas apresentações para se despedir dos fãs excursionando pelo interior do país até 1992.

Paralelamente Guilherme Isnard monta a cover big band “Roxy Nights” em homenagem a Brian Ferry e Roxy Music, encarna um crooner inspirado em Sinatra, Bing Crosby e Nat King Cole para cantar standards da música americana dos anos ‘50s e ‘60s e expande seus limites dividindo o palco do SESC Pompéia/SP com Miltinho, o mestre do samba sincopado.

Em 1992 volta a morar no Rio de Janeiro e após o show solo “Rio 360°” no terraço da torre do Rio Sul, se afasta das atividades artísticas até 1996, quando retorna no espetáculo “Cassino Tropical” em homenagem ao sambista e compositor Luís Antonio. Em 1997 faz diversas apresentações do seu trabalho solo no People, Mistura Fina e Hipódromo Up (RJ). De 1998 a 99 interpreta o flautista e compositor Joaquim Antônio Callado (inventor do chorinho) no mega musical "O Abre Alas", sobre a vida da pianista e compositora Chiquinha Gonzaga, sucesso nos teatros de todo Brasil.

Em 1999, comemorando seus 15 anos, o ZERØ faz algumas apresentações no Rio e em São Paulo. Para esse show Guilherme reúne a formação clássica, com Eduardo, Ricky e Freddy. Essas apresentações marcam o retorno definitivo da banda à estrada. Com tanta movimentação e receptividade do público, o ZERØ grava em 2000 o CD "Electro Acústico", que revisita os sucessos da banda acrescido de quatro músicas inéditas. Essa gravação além dos membros da formação clássica, conta com os novatos Sérgio Naciffe – bateria e JP Mendonça – produção e teclados. Esse CD independente, sem videoclip, marketing ou divulgação, esgota 10.000 cópias só no boca-a-boca dos fãs. Esse sucesso estimula a EMI a lançar em 2003 o CD “ZERØ Obra Completa” (também esgotado) com os dois primeiros LPs compilados e remasterizados. Paralelamente Renato Donisete, com a ajuda de Fábio Golfetti, edita a raridade “Dias Melhores” pela Voice Print, com os primeiras demos da banda, participações e o primeiro compacto. Em 2004 e 2005 Guilherme Isnard participa de vários shows e eventos de revival ‘80s ao lado dos colegas Leo Jaime, Ritchie, Leoni, Kid Vinil e Paulo Ricardo entre outros.

A atual formação do ZERØ, que tem Yan França na guitarra, Jorge Pescara no baixo e Vitor Vidaut na bateria, está em turnê por todo o país e acaba de gravar o CD “Quinto Elemento” produzido por Nilo Romero, o primeiro só de inéditas em 18 anos, com previsão de lançamento em 2006.

link no MySpace